24/09/2021 às 12h58min - Atualizada em 24/09/2021 às 12h38min

Programa apoia ações com base em inovação científica e tecnológica na Rocinha

Realizado pela Faperj, o Programa Favela Inteligente receberá o investimento de R$ 9 milhões

Isabella Baliana - Editado por Manoel Paulo

A Faperj - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro anunciou no dia 16 de setembro a primeira edição do programa Favela Inteligente, que tem como objetivo apoiar iniciativas de instituições e pesquisadores que promovam dinamismo econômico em ciência, tecnologia e inovação (C,T&I) na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro. 

 

Ao todo, o projeto receberá o aporte financeiro de 9 milhões de reais para a sua realização, sendo até R$ 500 mil por projeto. Segundo a Faperj, a realização do programa na Rocinha constitui a fase inicial de todo o projeto, na qual, a partir do monitoramento e avaliação dos resultados a serem apurados, possa ser feita a expansão do projeto também para outros territórios.

 

De acordo com a fundação, o termo escolhido como nome do programa relaciona-se com o grande potencial da região em compreender os problemas e questões locais, encontrando soluções no desenvolvimento de iniciativas de cunho científico e/ou tecnológico e promovendo mudanças em prol do bem-estar da população residente, tudo em harmonia com o meio ambiente.

 

“Entende-se por ‘favela inteligente’ o território tido como de alta vulnerabilidade que, no entanto, provê efetividade e potência ascendente em compreender problemas estruturantes locais e encontrar soluções criativas, inovativas, com base em C,T&I e, muitas vezes, em articulação com organizações posicionadas como negócios de impacto socioambiental positivo”, pontua o edital. 

 

Em Apoio às Bases para o Parque de Inovação Social e Sustentável na Rocinha, o programa visa apoiar instituições com ou sem fins lucrativos e pesquisadores que tenham projetos de variados segmentos voltados para a região, desde geração de energia verde,  educação profissional e inclusão digital até o combate à violência contra as mulheres, segurança pública e saneamento básico, por exemplo.

 

Conforme explica o edital, o programa Favela Inteligente tem duas categorias elegíveis para apresentação de propostas, denominadas A e B. A primeira categoria apoia projetos com duração de 12 meses e envolve pessoas físicas ligadas a organizações formais e ativas, com ou sem fins de lucro, estabelecidas no Estado do Rio de Janeiro. Segundo o edital, podem participar do programa os projetos:

 
  • de extensão universitária na Rocinha e que buscam viabilizar ações de empreendedorismo com base em C,T&I
  • de movimentos discentes que promovam empreendedorismo de inovação social com base C,T&I, em favor de empreendedores e empreendimentos estabelecidos na Rocinha; 
  • iniciativas de organizações não governamentais que atuem na comunidade e que visem incrementar ações para incorporação de atributos de C,T&I;
  • ações de empresas constituídas, estabelecidas no RJ, que queiram implementar ações de inovação com base C,T&I em benefício direto para a Rocinha.
 

Já a Categoria B é voltada para pesquisadores com título de doutor “que estejam formalmente vinculados a Instituições de Ensino Superior (IES) ou Instituições de Ciência e Tecnologia (ICTs) estabelecidas no Estado do Rio de Janeiro”. Nesse caso, os projetos deverão ter a vigência de 24 meses e estarão ligados à parte de implementação das pesquisas aplicadas e apuração dos resultados e impactos gerados pelos projetos contemplados na Categoria A.

 

As inscrições de projetos podem ser feitas até o dia 29 de outubro de 2021. O edital completo e o cronograma podem ser acessados aqui. O processo de seleção das propostas será dividido em etapas: primeiro será realizada a pré-qualificação, depois a avaliação de mérito e priorização e em seguida a etapa comprobatória da regularidade fiscal, jurídica e econômico-financeira. A deliberação do resultado será feita pela Diretoria Tecnológica da própria Faperj.

 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »