24/07/2020 às 21h16min - Atualizada em 24/07/2020 às 20h37min

Alimentação saudável é o alicerce para conquistar um corpo sadio e uma mente equilibrada

Veja alguns alimentos que são primordiais no cotidiano

Maynara Guapo - Editado por Michelle Ariany
Reprodução | Internet
Ter a alimentação saudável é o alicerce para conquistar um corpo sadio e uma mente equilibrada, além de pequenos atos diários que ajudam para o bom desempenho do organismo e com maior qualidade de vida. Com isso, o indivíduo que se alimenta de modo correto, tem maior entusiasmo para realizar as atividades diárias e a autoestima melhorada.
 
De acordo com a nutricionista Aline Malavazi, uma boa qualidade de vida depende de uma alimentação adequada. As necessidades nutricionais variam para cada pessoa e existe uma relação direta entre nutrição, saúde, bem estar físico e mental do indivíduo. Nossa sociedade se preocupa muito com o peso, e  acabam inventando inúmeras dietas para emagrecer. Isso não significa dizer que todas essas dietas são boas para a saúde, pelo contrário. As chamadas “dietas da moda” são geralmente restritas a um ou vários tipos de nutrientes. Além de não serem nutricionalmente equilibradas, apresentam várias desvantagens. Podem causar diminuição do rendimento físico, sobrecarga do organismo, deficiências nutricionais, e outros prejuízos à saúde.
 
Diante de tantas informações sobre alimentação que nos cerca, as pessoas não sabem distinguir o certo do errado e acabam ficando com receio de comer. “Quem procura uma dieta, já não sabe mais se é correto ou não deixar de ingerir um tipo de nutriente, desde quais engordam, os que ajudam no emagrecimento. Nós sabemos que comer é importante, é vital para a vida”, diz Aline Malavazi. Ela afirma que comer alimentos nutritivos em quantidades controladas e conforme recomendação do profissional de Nutrição, para se obter uma dieta que apresente todos os nutrientes essenciais é a alternativa ideal para quem deseja controlar o peso, sem perder a saúde. Sem contar que a frequência dos exercícios também é um ponto-chave para o controle de peso.
 
Dessa forma, o exercício físico e a dieta devem andar juntos. Segundo a educadora física Jamily Dias, para ter um corpo que deseja e uma ótima saúde, tem que haver uma estabilidade entre ambas, para obter um resultado mais satisfatório. “Não adianta fazer exercícios e continuar ingerindo comidas consideradas não saudáveis, por isso, para ter uma ótima saúde, tem que ter 50% dedicação aos exercícios físicos e 50% à alimentação saudável”, reforça.

Transformação
 
Na correria do dia a dia, é complicado conciliar uma vida equilibrada com uma alimentação saudável, o que pode ocasionar em doenças. Zuleide Colombo é professora e decidiu mudar os hábitos alimentares há três anos. Ela alega que devido ao estresse, tensão e muitas cobranças, a alimentação foi deixada de lado. “As minhas refeições foram ficando pobres e precárias. Comia rápido e qualquer coisa, em horários errados”, relata Zuleide.
 
Com isso, o estresse e ganho de peso caminhavam de mãos dadas, então a professora enfrentou uma série de problemas, um deles o medo de engordar. “Estava alterando a minha autoestima. Me via fora de padrão, sem contar a pressão arterial que começou a sofrer problemas de alteração, além do acúmulo de gordura nos órgãos vitais. Resolvi procurar uma ajuda especializada, sabia que sozinha não daria conta.”
 
A nutricionista Aline Malavazi assegura que não existe um alimento que deve deixar completamente a dieta, mas sim a quantidade que esse nutriente precisa ser ingerido. “O melhor caminho para quem quer perder peso continua sendo a reeducação alimentar através de uma dieta equilibrada e acompanhada por um profissional capacitado. É preciso ter sempre em mente que não existem poções mágicas para emagrecer. Até hoje não se provou que as dietas populares ou da moda tenham alguma vantagem em relação a uma dieta bem balanceada. Nenhuma “mistura mágica” garante uma perda de peso mais efetiva do que a uma dieta reduzida em calorias e equilibrada. Além disso, cada indivíduo tem necessidades nutricionais e calóricas diferentes, e cada caso deve ser analisado individualmente e pelo profissional adequado, é  uma questão de variar o cardápio, não deixar de fora nenhum tipo de alimento e sempre comer em pequenas porções e quantidades”, explica a nutricionista.

Aline ainda destaca que devemos comer de tudo um pouco, de todos os grupos de alimentos, como os cereais, grãos, carnes, frutas, verduras, leite, derivados e entre outros alimentos. “Muitas pessoas conhecem o significado de uma alimentação equilibrada, mas mesmo assim continuam se alimentando de maneira incorreta. Isso porque não adianta apenas saber, é preciso reeducar-se nutricionalmente, isto é, trocar os maus hábitos alimentares por bons hábitos. Trata-se de adotar um novo estilo de vida, de ampliar conceitos, mudar costumes... o que não é nada fácil, ainda que possível. A melhor maneira é apostar na educação alimentar. Sabemos também que existe os alimentos que mais gostamos, e que nos dá sensação de bem estar. Ter que deixar de consumi-los não é uma tarefa fácil, mas podemos usar o equilíbrio ou ver maneiras de inclui-los na dieta em uma forma mais saudável", diz.

Para Zuleide, o começo da transformação foi árduo. “Sou uma pessoa que tem muita força de vontade e determinada. Com o passar do tempo, fui vendo os resultados, mesmo que pequenos, mas promissores. Hoje, o meu organismo está totalmente acostumado ao novo ritmo de alimentação saudável. Consegui voltar ao meu peso normal, não tomo os medicamentos”, afirma a professora que mudou a qualidade de vida, por meio da boa alimentação.

Estabilidade emocional
 
Conservar a mente saudável é a melhor forma de ter uma vida propícia e feliz. Conforme a psicóloga Geane Souza, é indispensável buscar um equilíbrio para o nosso bem estar, tanto físico, quanto emocionalmente. “O desenvolvimento de hábitos relacionados a prática regular de atividades físicas, contribui na qualidade do sono, além de uma alimentação saudável”, relata. Geane também aconselha obter momentos de lazer, considerados essenciais para deixar de lado a rotina e conectar-se consigo, para aliviar o estresse e alcançar a sensação de relaxamento e bem estar. “Desenvolva o hábito de fazer atividades que lhe façam bem, ouça música, desenhe, escreva, converse com alguém, pratique ioga ou meditação. Todos esses costumes, desenvolvidos em conjunto, podem contribuir para o cuidado da saúde de forma integral.”
 
Segundo Zuleide Colombo, desde que alterou a rotina alimentar, teve a saúde mental modificada. “Sabendo se alimentar direito, você ingere os alimentos que produzem o que é necessário tanto para a mente, memória, disposição. Temos que nos auto educar, para manter o corpo e a mente saudáveis”, declara.

Para a nutricionista Aline Malavazi, é relevante cuidarmos da mente. “Os nossos sentimentos interferem no que queremos comer ou precisamos comer, para saciar. Isso pode refletir na qualidade de vida. Costumo dizer que para isso, precisamos de uma equipe multiprofissional, como uma nutricionista para planejar a nossa rotina alimentar, se necessário, um psicólogo, para ajudar a reconhecer os nossos sentimentos atuais e um educador físico para auxiliar em uma boa rotina física.”
 
Dessa maneira, a saúde mental de uma pessoa está relacionada ao modo como ela age às condições da vida e a forma como corresponde aos desejos, competências, interesses, conceitos e emoções. Ter saúde mental é estar bem consigo mesmo e com os outros que o cercam. Concordar com as obrigações da vida.

Foto: Vogue- Globo
Alimentos que ajudam manter o corpo saudável
 
Alimentos alaranjados
 
Alimentos com coloração alaranjada, como cenoura, abóbora, manga e mamão, têm betacaroteno, que é ótimo para preservar a pele bonita e protegê-la dos raios solares. Grosso modo, esse nutriente prepara a pele para entrar em contato com o sol e, de quebra, auxiliar o corpo a fornecer melanina e chegar a um bronzeado perfeito. Com isso, o betacaroteno tem a função de regular a produção de sebo, impedindo a oleosidade excessiva do couro cabeludo. E ainda ajuda manter os fios mais saudáveis e com mais elasticidade.

Abacate
Bom para pele, unhas e cabelo - rico em ômega 9, gordura que desinflama a pele e dá brilho e vida a cabelos e unhas. Se consumido a noite, é apto de estimular o GH, hormônio que em adultos aumenta a massa muscular. O ideal é de um abacate por semana.

Couve
Bom para os rins - por causa da vitamina C e do enxofre, o consumo de couve ajuda a eliminar toxinas e ácido úrico, substâncias prejudiciais ao bom funcionamento dos rins.

Frutas cítricas
Bom para o coração - são fontes de vitamina C e de fibras solúveis e insolúveis que trabalham na prevenção de doenças do coração, colesterol alto e obesidade. Laranja, mexerica, limão e lima da pérsia são exemplos de frutas cítricas.

Farelo de aveia
Bom para o coração - contém minerais, como cálcio, magnésio, potássio, fósforo e vitaminas do complexo B. Também é rico em fibra solúvel, reduz os níveis de colesterol e de açúcar no sangue, protege o organismo contra a formação de coágulos.

Melancia
Bom para os rins - a fruta tem mais de 90% de água em sua composição, o que faz dela influente para preservar o corpo hidratado. Também estimula os rins e evita a retenção urinária. Outros alimentos, como o melão e o pepino, também ajudam a manter a hidratação.

Alimentos  que são bons para a mente

Azeite de oliva
Bom para o cérebro - além de blindar o coração, o azeite de oliva ajuda a reduzir a degeneração do cérebro. Os antioxidantes combatem os radicais livres que prejudicam a atividade cerebral.

Folhas verdes-escuras
Bom para o cérebro - Uma pesquisa feita nos Estados Unidos concluiu que consumir uma porção diária de folhas escuras, como couve, rúcula e espinafre, pode rejuvenecer o cérebro. O estudo foi feito a partir da observação da dieta de mais de 900 idosos durante dez anos. Os que comiam os vegetais verdes-escuros com mais frequência tiveram uma redução mental apenas dez anos depois de dos que não consumiam esses alimentos.

Ostras
Bom para o cérebro - são fontes de ômega 3, que atua como uma espécie de matéria-prima para o progresso das células cerebrais. Além disso, as as ostras possuem zinco, que atua na atividade dos neurônios, na memória e na concentração. Oleaginosas Bom para o cérebro - sementes oleaginosas, como a castanha-do-pará, as nozes e as avelãs, oferecem boas quantidades de ferro, manganês e vitamina E. Outro mineral indispensável é o selênio, que colabora no bom funcionamento cerebral e na transmissão de mensagens entre os neurônios.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »